Tuas mãos

março 4, 2012 às 4:24 pm | Publicado em Pablo Neruda | Deixe um comentário

Quando tuas mãos saem,
amada, para as minhas,
o que me trazem voando?
Por que se detiveram
em minha boca, súbitas,
e por que as reconheço
como se outrora então
as tivesse tocado,
como se antes de ser
houvessem percorrido
minha fronte e a cintura?

Sua maciez chegava
voando por sobre o tempo,
sobre o mar, sobre o fumo,
e sobre a primavera,
e quando colocaste
tuas mãos em meu peito,
reconheci essas asas
de paloma dourada,
reconheci essa argila
e a cor suave do trigo.

A minha vida toda
eu andei procurando-as.
Subi muitas escadas,
cruzei os recifes,
os trens me transportaram,
as águas me trouxeram,
e na pele das uvas
achei que te tocava.
De repente a madeira
me trouxe o teu contacto,
a amêndoa me anunciava
suavidades secretas,
até que as tuas mãos
envolveram meu peito
e ali como duas asas
repousaram da viagem.

Pablo Neruda

Anúncios

SE CADA DIA CAI

março 4, 2012 às 4:20 pm | Publicado em Pablo Neruda | Deixe um comentário

Se cada dia cai, dentro de cada noite,
há um poço
onde a claridade está presa.

há que sentar-se na beira
do poço da sombra
e pescar luz caída
com paciência.

Pablo Neruda

Farewell e os soluços

novembro 11, 2009 às 12:50 am | Publicado em Pablo Neruda | 3 Comentários

farewell
1

do fundo de ti, e ajoelhada, uma criança triste, como eu, nos olha.
por essa vida que arderá nas suas veias teriam que se amarrar nossas vidas.
por essas mãos, filhas das tuas mãos, teriam que matar as minhas mãos.
pelos seus olhos abertos na terra verei nos teus lágrimas um dia.

2

eu não o quero, amada.
para que nada nos amarre, que não nos una nada.
nem a palavra que aromou tua boca, nem o que não disseram as palavras.
nem a festa de amor que não tivemos, nem os teus soluços junto à janela.

3

(amo o amor dos marinheiros que beijam e vão-se embora.
deixam uma promessa. não voltam nunca mais.
em cada porto uma mulher espera: os marinheiros beijam e vão-se embora.
uma noite se deitam com a morte no leito do mar.)

4

amo o amor que se reparte em beijos, leite e pão.
amor que pode ser eterno e pode ser fugaz.
amor que quer se libertar para tornar a amar.
amor divinizado que se aproxima. amor divinizado que vai embora.

5

já não se encantarão meus olhos nos teus olhos, já não se adoçará junto a ti a minha dor.
mas para onde vá levarei o teu olhar e para onde caminhes levarás a minha dor.
fui teu, foste minha. o que mais? juntos fizemos uma curva na rota por onde o amor passou.

fui teu, foste minha. tu serás daquele que te ame, daquele que corte na tua chácara o que semeei eu.
vou-em embora. estou triste: mas sempre estou triste. venho dos teus braços. não sei para onde vou.
… do teu coração me diz adeus uma criança. e eu lhe digo adeus.~

Pablo Neruda

dezembro 18, 2006 às 6:24 am | Publicado em Frases soltas, Pablo Neruda | Deixe um comentário

foi como nunca e sempre: fomos onde não se esperava
nada e achamos tudo o que estavamos esperando.

Pablo Neruda

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.