Canção da alma caiada

dezembro 16, 2009 às 11:36 pm | Publicado em Antonio Cicero | Deixe um comentário

Aprendi desde criança
Que é melhor me calar
E dançar conforme a dança
Do que jamais ousar

Mas às vezes pressinto
Que não me enquadro na lei:
Minto sobre o que sinto
E esqueço tudo o que sei.

Só comigo ouso lutar,
Sem me poder vencer:
Tento afogar no mar
O fogo em que quero arder.

De dia caio minh’alma
Só à noite caio em mim
por isso me falta calma
e vivo inquieto assim.

Antonio Cicero

Quase

dezembro 15, 2009 às 11:43 pm | Publicado em Antonio Cicero | 1 Comentário

Por uma estranha alquimia
(você e outros elementos)
quase fui feliz um dia.
Não tinha nem fundamento.
Havia só a magia
dos seus aparecimentos
e a música que eu ouvia
e um perfume no vento.
Quase fui feliz um dia.
Lembrar é quase promessa,
é quase quase alegria.
Quase fui feliz à beça
mas você só me dizia:
“Meu amor, vem cá, sai dessa”.

Antonio Cicero – Um poema do livro “Guardar”:

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.