2.

novembro 21, 2009 às 1:17 am | Publicado em Martha Medeiros | 2 Comentários

Saudade eu tenho do que não nos coube. Lamento apenas o desconhecimento daquilo que não deu tempo de repartir, você não saboreou meu suor, eu não lhe provei as lágrimas. É no líquido que somos desvendados. No gosto das coisas o amor se reconhece. O meu pior e o seu melhor, ficaram sem ser apresentados.

Martha Medeiros.

(Cartas Extraviadas)

{ }

novembro 21, 2009 às 12:30 am | Publicado em Clarice Lispector, Trechos | 4 Comentários

“Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de.
Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer.
Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente.

Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita fui a criadora de minha própria vida.
Foi apesar de que parei na rua e fiquei olhando para você enquanto você esperava um táxi.
E desde logo desejando você, esse teu corpo que nem sequer é bonito,
mas é o corpo que eu quero. Mas quero inteira, com a alma também.
Por isso, não faz mal que você não venha, esperarei quanto tempo for preciso.”

Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres. Clarice Lispector

Farewell e os soluços

novembro 11, 2009 às 12:50 am | Publicado em Pablo Neruda | 3 Comentários

farewell
1

do fundo de ti, e ajoelhada, uma criança triste, como eu, nos olha.
por essa vida que arderá nas suas veias teriam que se amarrar nossas vidas.
por essas mãos, filhas das tuas mãos, teriam que matar as minhas mãos.
pelos seus olhos abertos na terra verei nos teus lágrimas um dia.

2

eu não o quero, amada.
para que nada nos amarre, que não nos una nada.
nem a palavra que aromou tua boca, nem o que não disseram as palavras.
nem a festa de amor que não tivemos, nem os teus soluços junto à janela.

3

(amo o amor dos marinheiros que beijam e vão-se embora.
deixam uma promessa. não voltam nunca mais.
em cada porto uma mulher espera: os marinheiros beijam e vão-se embora.
uma noite se deitam com a morte no leito do mar.)

4

amo o amor que se reparte em beijos, leite e pão.
amor que pode ser eterno e pode ser fugaz.
amor que quer se libertar para tornar a amar.
amor divinizado que se aproxima. amor divinizado que vai embora.

5

já não se encantarão meus olhos nos teus olhos, já não se adoçará junto a ti a minha dor.
mas para onde vá levarei o teu olhar e para onde caminhes levarás a minha dor.
fui teu, foste minha. o que mais? juntos fizemos uma curva na rota por onde o amor passou.

fui teu, foste minha. tu serás daquele que te ame, daquele que corte na tua chácara o que semeei eu.
vou-em embora. estou triste: mas sempre estou triste. venho dos teus braços. não sei para onde vou.
… do teu coração me diz adeus uma criança. e eu lhe digo adeus.~

Pablo Neruda

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.