Poemas de Paulo Leminski pichados nos muros de Curitiba

julho 14, 2010 às 3:30 am | Publicado em Paulo Leminski | 2 Comentários
Tags:

Encontrei aqui.

Anúncios

Beije-me

julho 12, 2010 às 2:52 am | Publicado em Sixpence None The Richer | Deixe um comentário

Beije-Me
Beije-me longe da moita de cevada ao anoitecer
Junto à verde, verde grama
Balance, balance
Balance rodando
Use aqueles sapatos e
Eu usarei aquele vestido

Oh, ohh

Beije-me
Sob a Via Láctea
Leve-me
Para fora, no solo enluarado
Levante sua mão aberta
E chame a banda e faça
Os vagalumes dançarem
A lua prateada está cintilante
Então, beije-me

Beije-me
Embaixo da casinha da árvore quebrada
Balance-me
No seu balanço de pneu
Traga, traga
Traga seu chapéu florido
Nós tomaremos o caminho marcado no
Mapa do seu pai

Ohh, ohh

Beije-me
Sob um crepúsculo leitoso
Leve-me
Para fora, no solo enluarado
Levante sua mão aberta
E chame a banda e faça
Os vagalumes dançarem
A lua prateada está cintilante
Então, beije-me

Beije-me
Sob um crepúsculo leitoso
Leve-me
Para fora, no solo enluarado
Levante sua mão aberta
E chame a banda e faça
Os vagalumes dançarem
A lua prateada está cintilante
Então, beije-me
Então, beije-me
Então, beije-me
Então, beije-me!

Sixpence None The Richer

Kiss Me
Kiss me
Out of the bearded barly nightly
Beside the green green grass
Swing swing (swing swing)
Swing the spinning step
You wear those shoes and
I will wear that dress.

Owow….

Kiss me
Beneath the milky twilight
Lead me
Out on the moonlit floor,
Lift your open hand
Strike up the band and
Make the fireflies dance
Silver moon sparkling.
So, kiss me.

Kiss me (kiss me)
Down by the broken tree house
Swing me (swing me)
Upon it’s hanging tire,
Bring bring (bring bring)
Bring your flowerhat
We’ll take the trail marked on your
Father’s map

Owow….

Kiss me
Beneath the milky twilight
Lead me
Out on the moonlit floor,
Lift your open hand
Strike up the band and
Make the fireflies dance
Silver moon sparkling.
So, kiss me.

Kiss me
Beneath the milky twilight
Lead me
Out on the moonlit floor,
Lift your open hand
Strike up the band and
Make the fireflies dance
Silver moon sparkling.
So, kiss me.
So, kiss me.
So, kiss me.
So, kiss me!

Sixpence None The Richer

…para momentos fofinhos =}

julho 8, 2010 às 3:59 am | Publicado em Christine Rabette | Deixe um comentário

Merci!

Désabillage

julho 4, 2010 às 3:50 am | Publicado em Hervé Le Tellier | Deixe um comentário

Un ciré rouge vif, doublé, taille quatre ans,
Deux bottes bleu marine en caoutchouc (mouillées)
Un pantalon de jean, délavé, un peu grand,
Deux chaussettes Mickey (elles aussi trempées)

Un pull en laine écrue qu’on t’a mis à l’envers
Un petit slip blanc marque Petit Bateau
Un tee-shirt en coton bleu tirant vers le vert
Parsemé de cent taches de fruits ou de gâteau

J’en fais un petit tas qui part à la machine
Qui fait à l’essorage un bruit d’hélicoptère
(C’est-à-dire plus encore que ce qu’on imagine)

C’est pas si compliqué d’être heureux sur la Terre
C’est quatorze kilos dans un drap de coton
C’est ta main dans la mienne et ma joue sur ton front.

Hervé Le Tellier

Despindo

Uma capa de chuva vermelho vivo, dupla, tamanho quatro anos
Duas galochas azul marinho de borracha (molhadas)
Uma calça jeans desbotada, um pouco grande
Duas meias do Mickey (elas também ensopadas)

Um suéter de lã crua que eu coloquei do lado avesso
Uma pequena cueca branca da marca Petit Bateau
Uma camiseta de algodão azul meio esverdeada
Pontilhada com cem manchas de fruta ou bolo

Eu fiz uma trouxinha que foi para a máquina
Que para torcer fez o barulho de um helicóptero
(quer dizer um pouco mais do que imaginamos)

Não é tão difícil ser feliz na Terra
São quatorze kilos numa pilha de algodão
É a sua mão na minha e minha bochecha na sua testa.

Hervé Le Tellier
Tradução: Ju e J.D. Crespo

Meu querido irmão traduziu e eu não resisti, tive que postar também.. roubei do blog dele Doce Declinio onde vc encontra esta tradução, outras, e ínumeras coisas, até texto meu tem.

Milágrimas

julho 1, 2010 às 2:28 am | Publicado em Alice Ruiz | Deixe um comentário

Em caso de dor ponha gelo
Mude o corte de cabelo
Mude como modelo
Vá ao cinema dê um sorriso
Ainda que amarelo, esqueça seu cotovelo
Se amargo foi já ter sido
Troque já esse vestido
Troque o padrão do tecido
Saia do sério deixe os critérios
Siga todos os sentidos
Faça fazer sentido
A cada mil lágrimas sai um milagre
Caso de tristeza vire a mesa
Coma só a sobremesa coma somente a cereja
Jogue para cima faça cena
Cante as rimas de um poema
Sofra penas viva apenas
Sendo só fissura ou loucura
Quem sabe casando cura
Ninguém sabe o que procura
Faça uma novena reze um terço
Caia fora do contexto invente seu endereço
A cada mil lágrimas sai um milagre
Mas se apesar de banal
Chorar for inevitável
Sinta o gosto do sal do sal do sal
Sinta o gosto do sal
Gota a gota, uma a uma
Duas três dez cem mil lágrimas sinta o milagre
A cada mil lágrimas sai um milagre

Alice Ruiz

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.