Janela

abril 14, 2010 às 12:00 am | Publicado em Carlos Drummond de Andrade | 1 Comentário

Tarde dominga tarde
pacificada como os actos definitivos.
Algumas folhas da amendoeira espiram e degradado vermelho.
Outras estão apenas nascendo, verde polido onde a luz estala.
O tronco é o mesmo
e todas as folhas são a mesma
antiga
folha
E brotar de seu fim enquanto roazmente
a vida, sem contraste,
me destrói.

Carlos Drummond de Andrade

Anúncios

1 Comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Numa antologia que tenho de Drummond, este poema aparece com algumas diferenças. Acho que vale a pena conferir.

    Janela

    Tarde dominga tarde
    pacificada como os actos definitivos.
    Algumas folhas da amendoeira espiram e degradado vermelho.
    Outras estão apenas nascendo,
    verde polido onde a luz estala.
    O tronco é o mesmo
    e todas as folhas são a mesma antiga
    folha
    a brotar de seu fim
    enquanto roazmente
    a vida, sem contraste, me destrói.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: