novembro 22, 2006 às 11:34 am | Publicado em Recortes | Deixe um comentário

“Nossas bocas estavam tão próximas que o beijo devia ter começado há muito tempo sem que soubéssemos.
Você partiu uma palavra em migalhas para me dizer:
“Me beija”. Eu não encostei logo em teus lábios,
 embora estivessem tão próximos dos meus que uma folha de papel de seda não poderia passar entre eles.
Eu os rodeei, devagar. Minha boca, entreaberta, respirava sua semelhante. Demorou. Demorou como demora o tempo amoroso.
 De tanto respirar, nossos lábios secaram. Eu molhei docemente teus lábios com a língua, e em seguida molhei meus lábios nos teus. Lentamente.”

Hélène Pedneault – Les chroniques délinquantes

Deixe um comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: